sábado, 25 de julho de 2009

Fazendo ecologia de verdade

(25/07/09)

Ecologia – do grego “oikos", “casa” e "logos", “estudo”. Ou seja estudo do local onde se vive e da interação do ser vivo com este ambiente.
Ela e seus derivados, ecológico, ecologicamente correto, dentre outros, tornaram-se palavras da moda, evocadas a torto e a direito, como sinônimo de preservação ambiental, de preocupação com o meio ambiente e de consciência para com o planeta. E em nome desta tal ecologia surgem a cada dia mais e mais programas de salvaguarda do planeta, tais como:

- Energia renovável : são as fontes de energia inesgotável e alternativas aos tradicionais petróleo, carvão, gás natural e energia nuclear, como a energia solar, a energia eólica ou dos ventos, a energia hidráulica, a energia maremotriz, a energia geotérmica, os biocombustíveis, etc...

- Reciclagem: é o reaproveitamento de material beneficiado, transformando-o em matéria prima para novos produtos, onde destacam-se os produtos de papel, vidro, metal e plástico.

- Reaproveitamento: é uso, em uma atividade, de material já utilizado em uma outra finalidade, sem que este material tenha que ser convertido em matéria prima.

- Consumo consciente: é consumir, de forma voluntária, apenas bens e produtos realmente necessários e nas quantidades efetivamente indispensáveis à vida.

- Sustentabilidade: é configurar as atividades humanas de forma a permitir o progresso e o desenvolvimento de forma planejada e organizada, sem que haja prejuízo para a biodiversidade e para os ecossistemas naturais.

- Neutralização de emissões de carbono: é a atividade voluntária que se propõe a implantar medidas que contrabalancem as emissões de carbono realizadas pelas atividades cotidianas de pessoas e empresas, de uma maneira geral através do reflorestamento e do uso de energia limpa.

Todos eles, e muitos outros, são programas louváveis, mas que não atingem o âmago da questão ambiental, o fator mais poluente de todos e que se encontra mascarado sob cada um dos itens acima, uma praga que infesta o planeta e vem destruindo sistematicamente cada metro quadrado do planeta: o homem e o seu suposto progresso.

Não existe nenhuma atividade humana “civilizada” que não seja altamente prejudicial ao planeta. Não importa sua convicção política ou religiosa, o tipo de sua dieta alimentar ou sua atitude face à ecologia: você é prejudicial ao planeta. O simples fato de ler este texto é prejudicial ao planeta.

Então a única atitude absolutamente correta em termos de ecologia é cada habitante deste planeta subir em uma torre armado de um rifle de longo alcance, matar de dez a vinte transeuntes incautos e em seguida suicidar-se. Porém, tenho poucas esperanças de que isso venha a ocorrer em um curto prazo.

Assim defendo algo menos radical, exeqüível e que é a única forma efetiva de respeito ao meio ambiente : controle de natalidade. Como na China, cada casal existente no planeta teria direito a ter apenas um filho. Paulatinamente a população mundial seria reduzida a níveis aceitáveis e naturalmente sustentáveis. Qualquer outra forma de sustentabilidade é ilusória, já que populações maiores gerarão consumos maiores de bens e energia. Hoje somos quase 7 bilhões de bocas, olhos, mentes e corpos ávidos por bens de consumo e alimentos, excretando quantidades astronômicas de lixo e dejetos. Até 2050 seremos 20 bilhões. Não há recursos suficientes para proporcionar os prazeres da vida moderna a essa quantidade absurda de gente.

Os economistas de plantão argumentariam que uma redução populacional acarretaria um colapso econômico-financeiro no mundo, com repercussões catastróficas. Porém a falta de recursos para viabilizar esta mesma economia, mais cedo ou mais tarde causará o mesmo efeito.

Desta forma, somente uma coisa é certa: a redução da população mundial é necessária e será realizada de qualquer forma. Se o homem não encontrar uma forma suave de harmonizar-se com a natureza, esta usará dos meios necessários para realizar tal harmonização, nem que seja necessária a utilização de suas mais extremas ferramentas: a fome, a peste, a guerra e a morte de alguns bilhões de pessoas.

2 comentários:

  1. Puta que pariu! Demais!!! Nao so em termos de ecologia, como tambem em termos de melhoria de qualidade de vida em geral das pessoas e reducao da pobreza (ja que, na grande maioria dos casos, quanto menos recursos financeiros um casal dispoe, maiores as chances desse ter 10 filhos). Concordo 100% com voce, controle de natalidade e a unica coisa que pode salvar o planeta, e a especie humana da sua auto-destruicao.

    ResponderExcluir
  2. Matar um por um não dá... devemos sim explodir algumas cidades. Retiramos todos os animais antes, fazemos o controle de natalidade neles e no lugar dessas cidades, criamos grandes parques ecológicos... já tenho algumas na lista.

    ResponderExcluir